Controle de Processos

Insira seu usuário e senha para acesso ao software jurídico

Notícias

Newsletter

Homem que assassinou companheira na noite de réveillon cumprirá 18 anos de prisão

A 2ª Câmara Criminal do TJ fixou em 18 anos e oito meses de reclusão, em regime inicialmente fechado, a pena aplicada a um homem que assassinou sua companheira com certeira facada no coração, na noite do réveillon de 2014. O crime ocorreu em cidade do extremo oeste catarinense. Consta nos autos que o réu e a vítima, além do filho de ambos, com apenas dois anos, jantavam na casa de parentes quando ocorreu o homicídio - posteriormente identificado como de natureza qualificada pelo fator surpresa e pelo motivo fútil. O casal mantinha relacionamento por quatro anos, porém com histórico de desavenças e crises de ciúmes mútuos. Naquela noite, embalados pelo consumo de bebida alcoólica, houve o trágico desfecho. O desembargador Volnei Celso Tomazini foi o relator da matéria. A câmara promoveu pequena adequação na dosimetria da pena, estabelecida no primeiro grau em 20 anos de reclusão. A decisão foi unânime (Apelação Criminal n. 0000014-12.2015.8.24.0067). A 2ª Câmara Criminal do TJ fixou em 18 anos e oito meses de reclusão, em regime inicialmente fechado, a pena aplicada a um homem que assassinou sua companheira com certeira facada no coração, na noite do réveillon de 2014. O crime ocorreu em cidade do extremo oeste catarinense.Consta nos autos que o réu e a vítima, além do filho de ambos, com apenas dois anos, jantavam na casa de parentes quando ocorreu o homicídio - posteriormente identificado como de natureza qualificada pelo fator surpresa e pelo motivo fútil. O casal mantinha relacionamento por quatro anos, porém com histórico de desavenças e crises de ciúmes mútuos.Naquela noite, embalados pelo consumo de bebida alcoólica, houve o trágico desfecho. O desembargador Volnei Celso Tomazini foi o relator da matéria. A câmara promoveu pequena adequação na dosimetria da pena, estabelecida no primeiro grau em 20 anos de reclusão. A decisão foi unânime (Apelação Criminal n. 0000014-12.2015.8.24.0067).
14/07/2017 (00:00)
© 2017 Todos os direitos reservados - Certificado e desenvolvido pelo PROMAD - Programa Nacional de Modernização da Advocacia